Usando “estado de emergência”, Prefeitura de Manaus dispensa licitação para gastar R$ 634 mil com tendas

Foto: Semcom

Em mais uma dispensa de licitação alegando “estado de emergência ou de calamidade pública”, a Prefeitura de Manaus – ler administração de David Almeida (Avante) e Marcos Rotta (DEM) – decidiu gastar R$ 634 mil (seiscentos e trinta e quatro mil reais) com o fornecimento de tendas.

A portaria 261/2021 da secretaria municipal de Saúde, onde consta a dispensa de licitação para o aluguel de tendas, foi publicada no Diário Oficial do Município dessa terça-feira, 01 de junho (ver publicação no final da matéria). O documento está assinado pelo subsecretário de Gestão Administrativa e Planejamento, Nagib Salem José Neto.

A empresa contratada é a Bergamasco Locação de Estrutura, Tendas e Eventos Ltda que aparece no site da Receita Federal como sendo de propriedade de Israel Correa Bergamasco e Kelly Correa Bergamasco. A empresa é daquelas que chamamos no Radar de “faz tudo”.

Só para se ter uma ideia, a Bergamasco tem vinte atividades principais e mais de setenta atividades secundárias (ver documentos da empresa no final da matéria). O contrato de fornecimento de tendas tem duração de seis meses.

A justificativa dada para o gasto de mais de seiscentos mil com o aluguel de tendas, segundo a Semsa é para “estruturar a campanha de vacinação contra a Covid-19 e equipar as unidades de saúde em detrimento das ações da referida pandemia”.

Veja a dispensa na íntegra

Veja a inscrição da Bergamasco na Receita Federal