Vacinação: crianças de 5 a 11 anos devem ser imunizadas em Manaus na próxima semana

Semsa ainda aguarda nota técnica do Ministério da Saúde

Foto: ilustrativa/reprodução

Tendo em vista que a estimativa da chegada de vacinas contra a covid-19 para crianças de 5 a 11 anos está programada para a próxima semana, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) apontou que ainda aguarda nota técnica para o envio de doses pelo Ministério da Saúde.

A inclusão desse público no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 foi anunciada, oficialmente, na tarde dessa quarta-feira (5), pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Na ocasião, foi apresentada uma estimativa de entrega no Brasil do primeiro lote de vacinas pediátricas para a próxima quinta-feira, dia 13.

Logística

A distribuição aos estados, segundo o ministro, começará a ser feita no dia seguinte, se o cronograma for cumprido.

Após o recebimento, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que coordena a campanha de vacinação contra a Covid-19 em Manaus, definirá a estratégia para atender esse público, considerando as quantidades de doses por remessa.

Esquema

O esquema vacinal será com duas doses, com intervalo de oito semanas entre as aplicações. O tempo é superior ao previsto na bula da vacina da Pfizer. Na indicação da marca, as duas doses do imunizante poderiam ser aplicadas com três semanas de diferença.

Segundo o Ministério da Saúde, será preciso que a criança vá vacinar acompanhada dos pais ou responsáveis ou leve uma autorização por escrito.

O Ministério também recomendará uma ordem de prioridade, privilegiando pessoas com comorbidades e com deficiências permanentes; indígenas e quilombolas; crianças que vivem com pessoas com riscos de evoluir para quadros graves da covid-19; e em seguida crianças sem comorbidades.

A obrigação de prescrição médica para aplicação da vacina não foi incluída como uma exigência, conforme foi ventilado por membros do governo durante as discussões nas últimas semanas. Mas o Ministério sugeriu que os pais procurem profissionais de saúde.

(*) Com informações da assessoria e Agência Brasil