Anúncio

Vanessa e Braga estão entre os senadores investigados que podem perder foro privilegiado em 2018

Caso não sejam reeleitos nas eleições deste ano, 23 senadores investigados pela operação Lava Jato e pelos seus desdobramentos podem perder o foro privilegiado. Dentre eles, os senadores Vanessa Grazziotin (PCdoB) e Eduardo Braga (PMDB), representantes do Amazonas, vão tentar se manter no Congresso para preservar o foro privilegiado.

Sem esse direito, eles perdem a prerrogativa de serem julgados pelo STF (Supremo Tribunal Federal), passando para a primeira instância responsável pela Lava Jato, que tem à frente o juiz Sérgio Moro.

Outros nomes ameaçados estão integrantes da alta cúpula do Senado Federal, incluindo o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE); o líder do governo e presidente do PMDB, Romero Jucá (RR); o líder do

PT, Lindbergh Farias (RJ), e o líder da minoria, Humberto Costa (PT-RJ).

Renan Calheiros (PMDB-AL), ex-presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), Jader Barbalho (PMDB-PA) e Edison Lobão (PMDB-MA) também são alvos da operação e terão que vencer nas urnas em outubro para garantir o foro privilegiado. Este último é o atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), considerado um dos colegiados mais importantes da Casa.

Os senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente do Partido dos Trabalhadores, e José Agripino Maia (DEM-RN), presidente nacional dos Democratas, também precisam renovar os seus mandatos para preservar o foro privilegiado. A primeira é ré em ação penal da Lava Jato, enquanto o segundo é réu em desdobramentos da operação, ambos no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ciro Nogueira (PI), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Aécio Neves (PSDB-MG), Aloysio Nunes (SP), Lídice da Mata (BA), Valdir Raupp (RO), Ricardo Ferraço (PSDB-ES), Dalirio Beber (PSDB-SC), Jorge Viana (PT-AC) e Ivo Cassol (PP-RO) engrossam o coro dos que necessitam de uma vitória nas urnas para preservar o direito a julgamento pelo Supremo.

Fonte: Notícias ao Minuto