Vasco leva goleada na altitude, mas é salvo por Martin e avança na Libertadores

HAJA CORAÇÃO! O que parecia impossível quase aconteceu. O Vasco, depois de vencer por 4 a 0 em São Januário, poderia perder por três gols de diferença nesta quarta-feira, na Bolívia, que mesmo assim se classificaria para a fase de grupos da Libertadores. E fez pior: perdeu por 4 a 0 no tempo normal e viu a decisão ir para os pênaltis. Nas cobranças, melhor para o Cruz Maltino, que venceu por 3 a 2.

PRIMEIRO TEMPO

O jogo começou exatamente como o Vasco não queria que começasse. O Jorge Wilstermann, muito atrás no placar e sem muito o que perder, foi para cima e em apenas 16 minutos vencia por 3 a 0. Precisava, então, de apenas mais um gol para levar a decisão para os pênaltis. O Cruz-Maltino parecia perdido em campo. Não conseguia trocar passes e aliviar a pressão. Foi para o intervalo no “lucro” por não estar perdendo por mais.

SEGUNDO TEMPO

O Vasco voltou do intervalo melhor. Conseguia trocar passes no campo de ataque e diminuiu a pressão do Jorge Wilstermann. O problema é que a altitude de cerca de 2.800m de Sucre começou a surtir efeito. Com o brasileiro Serginho inspirado pela esquerda, os donos da casa voltaram a pressionar e fizeram o quarto e decisivo gol, que levou a decisão para os pênaltis, exatamente num momento em que o Cruz-Maltino parecia segurar bem o adversário.

OS PÊNALTIS

Martín Silva foi herói. O goleiro do Vasco defendeu três cobranças do Jorge Wilstermann: de Lucas Gaúcho, Meleán e Alex Silva. O Cruz-Maltino venceu com gols de Ríos, Pikachu e Wellington. Melgar e Ortiz marcaram para os donos da casa.

MAAAAAARTÍN SILVA!

Não é exagero algum dizer que o goleiro uruguaio salvou o Vasco nesta quarta-feira à noite. Depois da goleada no tempo normal, Martín Silva mostrou por que é ídolo da torcida. Nos pênaltis, fez três importantes defesas que garantiram o Cruz-Maltino na fase de grupos da Libertadores.