Vendas do comércio do Amazonas apresentam maior alta do país, aponta IBGE

Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

As vendas do comércio amazonense apresentaram maior alta em comparação com o restante do país. O período de avaliação é em relação aos meses de janeiro e fevereiro deste ano comparados aos do ano passado, segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (13).

A variação acumulada do ano (janeiro e fevereiro) do volume de vendas do comércio do Amazonas foi de 28,4%. Os piores desempenhos foram os de Sergipe (-8,0%), Pernambuco (-7,7%) e Amapá (-5,5%). E os melhores desempenhos, os do Amazonas (28,4%), Roraima (12,4%) e Espírito Santo (8,7%).

Em fevereiro, o Amazonas também foi o que mais cresceu, em comparação ao mesmo mês do ano anterior. Em fevereiro de 2022, na comparação com fevereiro de 2021, o Amazonas obteve a maior variação, no volume de vendas do comércio varejista, na comparação com os Estados e DF. Os melhores resultados foram os do Amazonas (21,5%), Roraima (17,8%) e Acre (16,5%); e os piores foram os de Pernambuco (-7,7%), Sergipe (-7,0%) e Piauí (-5,0%).

Considerando o crescimento da receita nominal de vendas, o comércio do Amazonas também alcançou o maior índice (33,6%) entre os Estados e DF, no acumulado do ano (janeiro e fevereiro), em comparação com o mesmo período do ano anterior. Após o Amazonas, Roraima (25,8%) e Mato Grosso (21,3%) alcançaram os maiores avanços. Nenhuma unidade da federação obteve resultado negativo, no período.

No comércio ampliado, Amazonas também obtêm maior alta no acumulado do ano. No volume de vendas acumulado do ano (janeiro e fevereiro), a alta de 25,1% do Amazonas foi a maior entre os Estados e DF. Depois do Amazonas, Roraima (10,5%) e Mato Grosso do Sul (6,9%) obtiveram os maiores avanços. Os principais resultados negativos foram os do Amapá (-7,8%), Distrito Federal (-6,1%) e Rio Grande do Norte (-5,6%).

Em 2019 

O setor do comércio no Amazonas registrou alta de 12% em agosto de 2019 na comparação com igual mês de 2018. A taxa figura como a segunda melhor do País, ficando atrás apenas do Amapá (26,4%). Já na comparação com o mês anterior, a alta foi de 0,2%. Já em relação ao acumulado do ano, o índice expandiu 6% e no acumulado dos últimos 12 meses, a alta foi de 4,6%. 

Segundo a pesquisa, em agosto de 2019, a receita nominal das vendas do varejo amazonense registrou -0,2%, frente a julho, após queda de 3,5% em junho. Na comparação com agosto de 2018, a receita do comércio varejista no Amazonas subiu 13,8%. 

No acumulado do ano, o setor apresentou crescimento de 8,1% e no acumulado dos últimos doze meses, a expansão chegou a 6,6%.