Vendedora afirma aceitar desculpas de médico brasileiro detido no Egito (ver vídeo)

Reprodução

vendedora muçulmana que foi alvo de insinuações de teor sexual feitas pelo médico Victor Sorrentino diz, em um novo vídeo, aceitar as desculpas do brasileiro.

A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação do médico.Tanto Sorrentino quanto a vendedora são mostrados na gravação, postada nas redes sociais do médico na sexta (4) –a mulher porém, tem sua imagem borrada.

No registro, o médico disse que errou em fazer uma gravação sem autorização e usando “palavras feias”. Ele pede as “mais sinceras desculpas” à vendedora, que afirma aceitá-las, acrescentando que o povo egípcio é muito hospitaleiro e recebe visitantes de todas as partes do mundo.

O brasileiro Victor Sorrentino foi detido no Egito sob acusação de ofensa de teor sexual no país após divulgar um vídeo em suas redes sociais no qual ofende a vendedora de papiro, dentro de uma loja.

No vídeo, Sorrentino aparece conversando em português com a vendedora de papiros. “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né?”, pergunta o médico. “Comprido também fica legal, né? O papiro comprido.”

Sem entender o idioma, a vendedora muçulmana responde que sim, sorri e é alvo de risadas do médico e de seus acompanhantes brasileiros.

Com a repercussão do episódio, o médico já havia pedido desculpas e se justificado, dizendo que é “muito brincalhão”. Com quase 1 milhão de seguidores, Sorrentino tornou seu perfil no Instagram privado depois da polêmica.

Em reação ao ocorrido, o Ministério Público do Egito afirmou, em sua conta oficial no Twitter, que Sorrentino era acusado de fazer insinuações sexuais, “atacando os preceitos e os valores da família e da sociedade egípcia, violando a vida privada da vendedora e utilizando uma conta eletrônica para cometer esses crimes”.

Como mostrou uma reportagem da Folha publicada neste sábado (5), Sorrentino oferecia consultas em Portugal sem ter o diploma de medicina validado no país europeu.

Cada consulta custava até 350 euros (cerca de R$ 2.100).
Além de divulgar os atendimentos em Lisboa e no Porto via redes sociais, Sorrentino ainda tinha em seu site uma área dedicada especialmente ao agendamento de consultas em Portugal.

A página, no entanto, foi removida na sexta-feira (4) após o questionamento. A família do médico não se pronunciou sobre o caso.

O nome de Victor Sorrentino não consta na lista dos profissionais aptos a exercer a medicina legalmente em Portugal. A Ordem dos Médicos, entidade que regula o setor, confirmou a informação.

Sorrentino é defensor do chamado tratamento precoce para a Covid-19 e deu entrevistas defendendo a hidroxicloroquina, medicamento considerado ineficaz para a doença.

Os próprios fabricantes do medicamento não recomendam o uso contra o coronavírus, e, em outubro do ano passado, a Organização Mundial da Saúde rejeitou de forma conclusiva e contraindicou “fortemente” a utilização da droga para pacientes com Covid.