Vereadora denuncia Amazonas Energia por desrespeitar decisão do TJAM proibindo cortes no fornecimento

Foto: Reprodução

Na manhã desta quarta-feira (28), na Sessão Plenária da Câmara Municipal de Manaus (CMM), a vereadora Mirtes Salles (Republicanos), voltou a denunciar a empresa Amazonas Energia. Agora, é pelo corte inadequado no fornecimento de energia, mesmo com uma decisão do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), no último mês, que proíbe cortes no fornecimento de energia elétrica por parte da concessionária, enquanto durar a situação de emergência da saúde aqui no estado.

Ainda segundo a determinação, o TJAM impõe uma multa à empresa de R$ 2 mil para consumidor prejudicado. “Mais uma vez digo que isso é um completo absurdo e um desrespeito ao consumidor. A concessionária não está cumprindo uma determinação judicial, uma Lei Estadual, de março deste ano, que proíbe o corte de energia durante a pandemia causada pela Covid-19. Diariamente chega na Comissão da Mulher, denúncias de suspensão de serviço. E como vice-presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, tenho encaminhado todos esses casos à polícia”, afirmou a vereadora.

E quando não há corte, tem o constrangimento que o consumidor passa. Caso da publicitária, Carla Santiago. Mesmo com a conta paga, houve ameaça na interrupção do fornecimento de energia.

“Isso é revoltante porque só não cortaram a energia devido a presença do meu pai. Foram duas ameaças de corte em apenas 21 dias, e a conta já tinha sido paga na última vez. Não podemos aceitar isso”, reclamou Carla.

Novo aumento

Mirtes Salles também criticou o novo reajuste na tarifa de energia aqui do Amazonas, que entra em vigor a partir deste domingo, 01 de novembro. Em média, o consumidor vai pagar 5,31% a mais na conta. O reajuste foi aprovado pela direção da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“No último dia 18 de setembro, participei de uma Audiência Pública e reafirmei ser totalmente contra a esse aumento, devido à pandemia causada pela Covid-19. Mas infelizmente não fui ouvida e esse reajuste acabou sendo aprovado. Como sempre digo, essa é mais uma prova de desrespeito ao consumidor”, ressaltou a parlamentar.

(*) Informações Assessoria