Vereadores aprovam requerimento de Wilker Barreto para Comissão de Ética investigar se está havendo assédio moral

O presidente da Câmara Municipal de Manaus, vereador Wilker Barreto (PHS),disse durante a sessão plenária dessa segunda-feira (5) disse que não era sua intenção ser grosseiro com a vereadora Jona D’arc (PR) e que o ato de cortar-lhe a palavra foi tão somente para cumprir o Regimento Interno já que a vereadora teria ultrapassado o tempo destinado a ela e a seu partido. Barreto assumiu que, devido aos ânimos exaltados com as discussões que ocorreram em  plenário, pode ter se excedido e agido de forma rude com a colega parlamentar, por isso pediu desculpas. Mas ele negou veementemente que já tivesse praticado assédio moral contra qualquer um dos seus pares e apresentou requerimento para que a Comissão de Ética da Casa o investigue para apontar se as acusações feitas pela vereadora Joana D’arc têm procedência ou não.

“Vereadora Joana, peço desculpa, porque  fui um pouco rude com vossa excelência, mas o que eu queria era fazer cumprir o regimento, o clima já estava exaltado, faz parte do parlamento”, declarou o vereador .

O requerimento nº 1861/2017, de autoria do próprio presidente, foi aprovado por 32 vereadores dos 35 presentes. Somente os parlamentares Chico Preto (PR), Plínio Valério (PSDB), William Abreu (PR) votaram contra o requerimento. em que pede que a Comissão de Ética da CMM apure suposta prática de assédio moral e psicológico por parte de Wilker à vereadora Joana D´Arc.

Durante a votação, vários vereadores demonstraram apoio às investigações da Comissão de Ética.

“Nunca cerceei o exercício do mandato de um parlamentar. Estou há dez anos nesse parlamento, já fui líder de prefeitos, já participei de debates acirrados aqui mas nunca desrespeitei meus pares.  Se tem uma coisa que eu prezo é o direito do exercício sagrado do mandato nesta Casa. Assédio e cerceamento do mandato, isso eu nunca pratiquei, por isso peço que a Comissão de Ética investigue os meus atos na condução de todas as sessões deste ano”, frisou Wilker que fez questão também de assegurar que os trabalhos da Casa transcorrerão com normalidade e que a CMM dará todas as condições necessárias para que a Comissão conclua as investigações com transparência, seriedade e tranquilidade.