Vereadores derrubam veto do prefeito e reclamam dos procuradores da Prefeitura

Plenario-Camara-Municipal-Manaus 2

Fica cada vez mais visível a instisfação dos vereadores, explicada por eles em conversas reservadas, como fruto de um tratamento de indiferença do prefeito Artur Neto, e até de desrespeito de seus secretário que não atendem os vereadores, nem sequer através de ligação telefônica. Na sessão plenária de ontem da Câmara Municipal de Manaus (CMM), os vereadores demonstraram estar visivelmente contrariados pr  causa dos vetos do prefeito aos seus projetos. “Todos os projetos que vão para Prefeitura votam vetados e a justificativa é que a matéria sempre é disciplinada pela prefeitura. Então, se é para não decidirmos nada, se não somos um Poder independente formado por representantes eleitos pelo povo, é melhor fecharmos essa Casa e ir todo mundo embora”, criticou o vereador Gilmar Nascimento (PDT).

Em tom nada ameno, o vereador Mitoso (PSD) até deu uma aliviada para o lado do prefeito, dizendo que os pareceres jurídicos são sempre emitidos pela procuradoria da Prefeitura, que induziria o prefeito ao erro. “Discutimos os projetos, alguns nós passamos anos avaliando, eles (projetos) passam por várias comossões, e ainda assim a procuradoria da Prefeitura veta tudo. Não podemos aceitar esses vetos de maneira silenciosa “, questionou o vereador, apoiado por Amaury Colares. “Esses vetos desmoralizam os vereadores e até mesmo o presidente desse  Poder”. Ontem, mais um desses vetos do Executivo incomodou os vereadores, foi o veto total ao Projeto de Lei nº 033/2012, do vereador Luiz Carijó, que regulamenta o funcionamento de parques de diversão e exposições que disponham de equipamentos, brinquedos eletroeletrônicos ou mecânicos.

Até o líder do partido do prefeito, o vereador Mário Frota (PSDB), bem que quis diminuir a tensão dizendo que  o veto ainda era do tempo de Amazonino, mas ficou meio desconcertado quando seus colegas de parlamento lembraram que o procurador e subprocurador da Prefeitura , continuam sendo os mesmo da administração anterior. “Os procuradores da Prefeitura se acham os donos da verdade, mais inteligentes, mais sábios, mais cultos, mais entendedores das Leis. O prefeito jamais votaria um projeto como esse. Ao final da votação o veto foi derrubado pela grande maioria dos vereadores, por 27 votos “não” (contra o veto), e apenas 3 “sim”(a favor do veto).