Vergonha! Idoso morre após cair de ônibus lotado

vergonha

Um dos sites de notícia da cidade denominou em matéria postada hoje, o transporte coletivo de Manaus de “Transporte Perigoso”, por causa dos constantes assaltos que estão ocorrendo dentro dos coletivos, pondo em risco a vida de todos os que estão nos ônibus. As informações divulgadas, sobre o perigo a que os cidadãos, homens, mulheres e crianças, estão expostos, ao utilizarem o transporte coletivo de Manaus, são corretas. Nossos filhos (pelo menos os do pessoal aqui do Radar) saem de casa para o trabalho ou para a faculdade, e a gente começa a rezar, temerosos exatamente porque eles vão ter que utilizar o transporte coletivo.  Mas, há quem possa dizer, como sempre ocorre quando se trata da administração pública justificar o injustificável, que os assaltos, a criminalidade, é um mal de toda grande cidade. Porém, há uma situação que permeia o transporte coletivo da nossa cidade que deveria ser denunciada pelos veículos de comunicação todos os dias, que põe em risco a integridade física, emocional, e até moral dos nossos filhos, pais, mulheres, crianças, cidadãos. Analise: Ontem, um idoso de 66 anos morreu após cair de um ônibus da linha 015 da empresa Global Transportes (o nome é novo mais não se engane porque é a mesma de antes). O acidente aconteceu na Rua Eduardo Prado, bairro Compensa 2, Zona Oeste de Manaus. Segundo informações da Polícia Militar, o veículo estava lotado e fazia uma curva quando ocorreu a queda da vítima.

Segundo informações de um canal de televisão local, policiais do 5º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde o caso foi registrado, disseram que testemunhas informaram que a porta do ônibus estava aberta e o idoso não teria conseguido se segurar no momento da curva. Após cair do veículo, o aposentado teria batido com a cabeça na rua. Levado para o serviço de Pronto-Atendimento (SPA) Juventina Dias, o idoso chegou morto ao local. O motorista do ônibus, em depoimento prestado na Polícia Civil, confirmou que o ônibus estava lotado e que os fatos ocorreram exatamente como as testemunhas contaram. Segundo a polícia o motorista será indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Ele va i responder em liberdade. Que vergonha eu sinto, e não sei se estou sendo um tanto lesa e sonhadora, quando acho que cada cidadão ao saber de uma notícia como essa deveria sentir a mesma coisa, vergonha.

Vergonha de que um idoso da nossa cidade morreu (ou foi morto?) porque estava pendurado na porta de um ônibus lotado e o máximo que acontece é que o motorista ainda é o responsável. Será que só nós aqui do Radar, e nossos filhos, é que pegamos ônibus? Ninguém nunca viu o que acontece quando um motorista tenta organizar o povo dentro do ônibus e fechar a porta? Quando um motorista diz que não vai seguir viagem enquanto tiver gente pendurada na porta, e que algumas pessoas terão que esperar outro coletivo? O povo só falta linchar o motorista. E, ninguém vai responsabilizar os empresários do transporte coletivo que, para não gastar (coitado dos pobrezinhos sem dinheiro) não contratam os fiscais de linha, não põem gente da empresa para fazer cumprir a capacidade de lotação dos veículos? Será que ninguém sabe que por Lei eles teriam que fazer isso? Onde é que fica o SMTU nessa hora? Alguém já viu o que acontece com crianças e idosos nos terminais de ônibus quando o povo quer descer dos coletivos, e outra multidão quer entrar nos ônibus? As crianças, senhoras, idosos, são pisoteados, machucados, chegam a passar mal. Pergunto de novo, cadê os fiscais para organizarem isso? Onde está o SMTU, a Prefeitura, o Poder Público, o mesmo Poder Público que devia pelo menos fazer jus a esse nome. Que em campanha política fala de tratamento respeitoso, de carinho, de amor (tem gente que chega a chorar), pelas nossas crianças e idosos? E a imprensa da qual faço parte, e de que tanto me orgulho, por ser um instrumento de justiça social, cuja “arma” é tão somente a palavra, porque não responsabiliza os empresários e o Poder Público? O que vi ontem me faz crer que, aquele homem, idoso, cidadão dessa terra, não vai passar de mero registro nos meios de comunicação, de uma ocorrência na polícia, e de um lugar no cemitério (me perdoem a morbidez). E os verdadeiros culpados não vão pagar por nada. O único a “pagar” será o motorista com ficha criminal na polícia e na Justiça. E, amanhã, ninguém lembrará mais. E daqui a algum tempo isso vai se repetir. E a única coisa que nos resta é sentir vergonha. (Any Margareth)