Veterinária espancada pelo namorado diz que sofreu fratura

A veterinária de 33 anos que aparece em vídeo sendo espancada pelo namorado, um personal trainer da mesma idade, disse ao G1 que está sem o movimento em um braço e só sobreviveu aos vários golpes que sofreu “pela graça de Deus”.

Câmeras de segurança flagraram o momento em que ela leva socos, chutes e tem a cabeça batida no chão, em uma praça perto do condomínio onde mora, em Goiânia (vídeo acima, com cenas fortes, mostra a agressão). O agressor, Murilo Morais, está preso.

A agressão ocorreu em 28 de agosto, quando o casal se preparava para ir a uma igreja. A mulher, que prefere não ter a identidade revelada, disse que iniciou sessões de fisioterapia para retomar o movimento no braço. Ela afirma que, por sorte, não teve uma lesão mais séria na cabeça.

Murilo foi preso logo após as agressões. Na delegacia, ficou em silêncio. O juiz Jesseir Coelho de Alcântara, que havia mantido a prisão após audiência de custódia, negou na terça-feira (17) um pedido de liberdade feito pela defesa do personal. Segundo ele, a soltura “constitui perigo à sociedade e à própria vítima”. Ele já tinha passagem por ameaça e injúria contra outra mulher.

Tiro para o alto

O vídeo mostra quando a mulher desce de um carro e segue para o condomínio. Logo depois, o agressor também sai do veículo e vai atrás dela. Após ser abordada, ela se vira e caminha junto com o namorado para voltar ao automóvel. No meio do caminho, a mulher leva um soco no rosto e cai no chão. O tempo todo, ela tenta se defender.

A veterinária disse que as agressões ocorreram de forma inesperada. O espancamento só cessou porque um policial civil, que passava pelo local, fez a abordagem e precisou até dar um tiro para o alto.

“A gente estava só conversando. Ele realmente teve um ataque. Foi uma coisa repentina, eu não esperava. Eu desci do carro, quando voltei já levei um tapa na cabeça e cai no chão. Depois disso, a única reação que eu tive foi de me proteger com meu braço, e ele não parava de bater”, lembra.

A delegada Cássia Sertão disse que o inquérito policial já foi concluído e encaminhado ao Judiciário. O G1 pediu, na terça-feira ao Tribunal de Justiça de Goiás, a situação do processo. No entanto, conforme a assessoria do órgão, a informação é de que o caso está em segredo de Justiça.

Relacionamento conturbado

O casal estava junto havia quatro anos. Ela conta que o agora ex-namorado já teve comportamentos agressivos como “quebrar o celular” e “gritar” com ela e com a mãe dele, mas nunca tinha chegado a agredi-la.

Agora, ela espera que o personal siga detido e cobra uma punição rigorosa para o caso.

“O que eu vejo é que ele tem que pagar pelo que ele fez. Única coisa que acho que tem que acontecer. No Brasil tem de ter leis mais severas para este tipo de caso. Porque o agressor não pode agredir, ter a audiência de custódia e sair. Tem que realmente permanecer preso. Hoje todos os dias você vê esses casos de agressão”, desabafa.