Vice-governador diz à PF que Alencar foi posto por Wilson Lima no negócio da compra dos “respiradores” superfaturados

Foto: Secom

Confirmando o depoimento dado a Polícia Federal (PF) pelo ex-secretário de Saúde do Estado, Rodrigo Tobias, um dos presos na segunda fase da Operação Sangria, o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, disse em depoimento à Polícia Federal que foi Wilson Lima quem escolheu o empresário e capitão reformado da Polícia Militar, Gutemberg Leão Alencar como operador do esquema de compras em uma loja de vinhos dos respiradores superfaturados.

O Radar teve acesso ao depoimento do vice-governador Carlos Almeida ao delegado Alexandre Montenegro de Albuquerque, da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros. O depoimento confirma a nota pública divulgada pelo vice-governador, Carlos Almeida, de que teria ido espontaneamente à PF prestar esclarecimentos.

Diz o vice-governador em seu depoimento: “Que em relação a Gutemberg Leão Alencar afirma que o apresentaram como sendo um dos coordenadores da campanha , mas não tinha muito contato com ele; Que em março desse ano o governador o colocou em contato com Gutemberg, Que manifestou ao governador suas resistências e desagrado em tratar com ele; Que Alencar tinha má fama no Amazonas já há muitos anos; Que esclarece que havia má fama de ser truculento, arrogante e por isso queria distância dessa pessoa; Que novamente mal manteve contato com essa pessoa; Que Wilson queria que Alencar fosse coordenador de campanha no PSC; Que quando do início da pandemia, Wilson Lima o contatou afirmando que Alencar queria ajudar o governo no combate à doença; Que naquele momento o Estado do Amazonas não havia leitos, não havia medicamentos, não estava preparado para enfrentar o Covid-19 e surgiram diversas pessoas procurando os governantes oferecendo ajuda; Que dentro dessas pessoas era necessário fazer um filtro” .

O depoimento do vice-governador contraria totalmente o depoimento de capitão PM Gutemberg Alencar ao qua o Radar também já teve acesso. Alencar faz de tudo para manter o distanciamento entre ele e Wilson Lima, fato que Carlos Almeida desmente demonstrando que as funções exercidas por Alencar foram determinações do governador.