Vídeo mostra Henry mancando no apartamento onde morava com a mãe e Jairinho (ver vídeo)

reprodução

A polícia do Rio está ouvindo a babá de Henry sobre atos de violência do vereador Jairinho que ela havia relatado à mãe do menino quase um mês antes da morte dele, inclusive numa gravação em vídeo.

A imagem é, segundo a polícia, o retrato de uma rotina de violência e sofrimento. No vídeo, obtido pelo Jornal Nacional, Henry caminha, mancando, no apartamento onde morava desde o início do ano com a mãe, Monique Medeiros, e o padrasto, o vereador Doutor Jairinho.

A babá Thayná Oliveira Ferreira fez a gravação no dia 12 de fevereiro. A polícia conseguiu recuperar a imagem no celular da mãe de Henry, apreendido durante as investigações.

No mesmo dia, a babá enviou o vídeo a Monique e alertou que o menino reclamava de agressões que sofria do Doutor Jairinho. No dia seguinte, 13 de fevereiro, Henry foi levado ao Hospital Real D’Or, em Bangu, como revelou o Fantástico no domingo (11).

Monique relatou que o filho tinha caído da cama por volta das 5 horas do dia anterior, exatamente na mesma hora em que a babá relatou as supostas agressões. Cinco dias depois de levar Henry ao hospital, Monique conversou com uma prima, que é pediatra. A troca de mensagens foi publicada nesta segunda (12), no jornal O Globo. O Jornal Nacional também teve acesso às mensagens.

“Henry está com medo excessivo de tudo, tem um medo intenso de perder os avós, está tendo um sofrimento significativo e prejuízos importantes nas relações sociais, influenciando no rendimento escolar e na dinâmica familiar.”

Monique também diz: “Quando vê Jairinho, ele chega a vomitar e tremer. Diz que está com sono, quer dormir e não olha para ele”. Ela também diz: “Chora o dia todo”.

Mensagem da mãe Henry à prima pediatra — Foto: Reprodução/Jornal Nacional

Thayná chegou para prestar depoimento no início da tarde. O depoimento ainda não tinha acabado até o fechamento dessa matéria.

O laudo da reprodução simulada no apartamento foi assinado por oito peritos: eles descartam a possibilidade de um acidente doméstico, como uma queda, e afirmam que todas as lesões citadas apresentavam características condizentes com ação violenta: homicídio.

O elevador do prédio registrou a hora em que Monique e Jairinho saem com Henry rumo ao hospital na madrugada da morte: 4h09, 39 minutos depois do momento em que Monique relatou ter encontrado o menino caído no chão.

Na manhã desta segunda (12), Monique Medeiros foi internada com infecção urinária num hospital do Complexo Penitenciário de Bangu, onde também está preso o vereador Jairinho.

O Tribunal de Justiça do Rio negou o pedido de habeas corpus para Monique e Jairinho.