Vídeo mostra pacientes expostos a altos níveis de contaminação em salas lotadas do Hospital 28 de Agosto (ver vídeo)

Uma conversa de Whatsapp e um vídeo enviado ao Radar na noite deste domingo (10), demonstra o verdadeiro colapso do sistema de saúde no Estado.  A conversa inicia com um vídeo de uma cena gravada supostamente dentro do HPS 28 de Agosto. Nesse vídeo é possível ver vários pacientes em uma sala fechada, amontoados tomando soro e no oxigênio. Nas imagens, aparece até mesmo pacientes sem a mascara. (veja vídeo no final da matéria)

No vídeo, é possível ouvir a pessoa que está gravando dizer: “as pessoas estão desde ontem e ainda não foram atendidas”. As mensagens de Whatsapp trazem ainda a informação de que “o 28 de Agosto está entupido de gente” e que uma certa paciente – preferimos não identificar pelo nome – estava até se sentindo melhor, mas agora foi colocada em uma sala superlotada.

“Ela está com Covid?”, pergunta alguém pelo Whatsapp. “Sim mano, ela estava numa Sala Rosa do 28 de Agosto e estava melhorando, mandaram ela pra essa sala, assim paciente nunca fica bom”, responde a outra pessoa em tom de reclamação: “Como é o nome dessa sala?”, questiona. E a pessoa que gravou responde: “Mano não tem nome é a primeira sala logo que a pessoa chega, depois de passar pela triagem”.

De acordo com essa conversa, se entende que por conta da lotação, as pessoas com suspeita de COVID-19 estão junto com as pessoas que saíram da Sala Rosa por estarem melhorando seu quadro.

Descasos como estes também aconteceram na época do pico da pandemia, quando o Radar denunciou que ao invés de manter  o isolamento dos pacientes com coronavírus na Sala Rosa do HPS 28 de Agosto, eles estavam sendo recebidos e misturados com pessoas com outras doenças e que poderiam ter seus quadros clínicos agravado pela Covid-19. 

Sistema em colapso

Segundo o boletim epidemiológico deste domingo (10), o total de infectados chegou a 213.961, e o número de óbitos subiu para 5.701.

Manaus atingiu uma triste marca: o maior número de enterros em um único dia desde o início da pandemia. Foram 144 pessoas sepultadas, sendo 62 com diagnóstico de Covid-19.