Vigilância Epidemiológica descarta caso suspeito de ebola em Viçosa

vicosa_foto

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Viçosa, Cláudia Ferreira, descartou nesta segunda-feira (27) a suspeita de um caso de ebola no município. Um estudante de pós-graduação da Universidade Federal de Viçosa (UFV) que apresentava febre deu entrada no Hospital São Sebastião nesta tarde. Ele relatou que viajou para os Estados Unidos para participar de um congresso e que teve contato com um africano de Senegal. Devido à informação, um certo pânico foi gerado no hospital e o estudante foi isolado, situação que durou  cerca de duas horas, conforme a coordenadora.

O secretário de Governo Luciano Piovesan disse que se reuniu nesta noite para se inteirar sobre o assunto e que haverá uma entrevista coletiva para a imprensa na manhã desta terça-feira por causa da proporção tomada. “Noticiaram o caso de forma equivocada, o que gerou pânico na cidade. Mas tanto o hospital quanto a Secretaria de Estado de Saúde já descartaram a suspeita, inclusive o estudante já saiu da observação e permanece no hospital para o tratamento da febre, apenas”, explicou.

Luciano Piovesan contou que o estudante tem 23 anos e relatou que passou 12 dias nos Estados Unidos, onde ficou em um alojamento com pessoas de diversos países, inclusive os da África e que, como passou mal ao retornar ao Brasil, procurou o hospital. “Assim que o aluno disse o que aconteceu, imediatamente o pessoal do hospital ligou o fato ao ebola e ligaram para a Secretaria de Saúde, que orientou o hospital a seguir o protocolo para este caso. Então, ele deveria ficar em observação e ficar isolado dos demais pacientes em um setor específico. Isso foi o que aconteceu, mas causou pânico desnecessariamente”, esclareceu.

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica ressaltou que o descarte por parte da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais através de uma médica especialista ocorreu porque o estudante informou que houve contato apenas com africanos saudáveis – que nessa situação não transmitem a doença – e que eles eram senegaleses – fato que contribuiu para o descarte do diagnóstico de ebola, pois o Senegal só registrou um caso da doença, o paciente se recuperou e o país já foi declarado livre da mesma.

Senegal

O primeiro caso de ebola no Senegal foi confirmado no dia 29 de agosto pelo Ministério da Saúde do país, um importante centro para negócios na África. Em setembro, o Ministério da Saúde anunciou que o jovem guineano que era o único caso confirmado de paciente com o vírus do ebola em Senegal estava curado.

No dia 17 de outubro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou que o Senegal estava oficialmente livre da epidemia de ebola, mas ressaltou que o país permanece como vulnerável a novos casos da doença.