Vivendo dias em tons de cinza

Sabe aquele dias em que você vê tudo numa cor meio acinzentada, falta colorido à vida, as coisas ficam meio sem graça? Pois, hoje o mundo esteve meio assim, pra mim. Olhei em volta e vi tanta vida desperdiçada, por motivos estúpidos, onde a razão não acha qualquer razão, atos praticados por nada, simplesmente nada. De um lado, duas jovens mulheres e um menino estão mortos. Pessoas têm o corpo despedaçado, pernas mutiladas. De outro, dois jovens são apontados como responsáveis, um está morto, crivado de balas, o outro está ferido gravemente. Ele tem apenas 19 anos. Seres humanos em lados opostos, divididos em vítimas e algozes, mas partes de uma só tragédia. E, tenho certeza que não somente eu, mas todo mundo se pergunta: Por que? E muito se fala em radicalismo islâmico, luta contra o imperialism norte-americano, diferenças religiosas e políticas. E, mesmo não tendo a menor simpatia pelos norte-americanos e os atos que praticam pelo mundo, me pergunto: o que a morte de vítimas e agressores pode trazer de avanços políticos e religiosos? Olho, e não vejo nada, a não ser gente infeliz pintando o mundo de cinza.

Um toque de azul

Mas, o que ainda nos faz crer na raça humana, são certas pessoas que apesar de viverem dramas tão terríveis, ainda encontram forças pra colorir o mundo com sua solidariedade e compromisso com a vida. Como no caso do costa-riquenho, Carlos Arredondo, que salvou a vida de uma das vítimas do atentando, que teve as duas perna amputadas pela explosão, após aplicar um torniquete para estancar o sagramento. Carlos tentou o suicídio após seu filho ter sido morto na Guerra do Iraque. Seu outro filho, tirou a própria vida, há cerca de dois anos.

Propaganda sem noção

O Radar bem que tentou captar a imagem pra podermos mostrar aos nossos leitores, e até mesmo elogiar a iniciativa, mas essa foi uma missão impossível. A imagem é a da Escola municipal Três Unidos, que teria sido inaugurada pelo prefeito Artur Neto, numa comunidade indígena de mesmo nome, para comemorar o Dia do Índio. Como a Prefeitura de Manaus, por motivos óbvios (o mesmo que dizer tá na cara que o prefeito não gosta de críticas) , não envia para o Radar seu material de divulgação, procuramos em outros veículos de comunicação, mas só achamos foto do prefeito e do secretário de Educação do município, por todos os ângulos, de tudo que é jeito, mas as depedências da escola ficou difícil de mostrar , portanto, de elogiar. Isso é que é culto a personalidade!