Wilker cobra explicações sobre os R$ 40 milhões em três contratos sem licitação feitos pela Seduc

deputado estadual Wilker Barreto (PHS) denunciou, novamente, da tribuna da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), nesta terça-feira (19), os ganhos reais de R$ 41 milhões das empresas Bento Martins de Souza, GH Macário Bento e Dantas Transportes – contratadas por dispensa de licitação pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc) com um alto preço do custo unitário das refeições e do transporte escolar.

Para Wilker, o custo mais alto está na alimentação dos alunos da rede estadual da capital e do interior. A empresa Bento Martins que em 2017/18 cobrava R$ 2,20 no lanche para a capital e R$ R$ 6,35 no almoço passou a cobrar R$ 3,51 e R$ 7,75 respectivamente sem licitação.

“Acho que a justificativa que estão dando para a contratação da empresa é que mudou a cozinheira. Como eles mudaram a qualidade se diziam que a refeição não prestava no ano passado? É a mesma empresa. Ano passado era praticado o valor de R$ 21 milhões para capital e agora R$ 32 milhões para o novo governo. Diferença de R$ 11 milhões. Já no interior o valor era de R$ 20 e passou para R$ 32 com diferença de R$ 12 milhões. Isso não é brincadeira não. É o dinheiro do sofrido povo amazonense”, disse o deputado.

No transporte escolar, Wilker detectou um aumento de R$ 18 milhões em relação a 2018. A empresa Dantas Transportes que no ano passado cobrava do Governo do Amazonas R$ 28 milhões passou a trabalhar com o valor de R$ 46 milhões.

“O secretário de educação falou que aumentou R$ 18 milhões porque contrataram monitores. A mesma empresa, a Dantas Transportes, que fazia o mesmo percurso por R$ 28 milhões para a gestão passada agora está cobrando R$ 46 milhões com a mesma rota feita. Estou no aguardo do número de monitores contratados e a relação de municípios. É um aumento que prejudica o erário”, afirmou.

Wilker avisou ao secretário Luiz Castro que ainda está no aguardo dos documentos que comprovam os gastos e as reais necessidades das dispensas de licitações. “O secretário Luiz Castro se comprometeu na audiência da semana passada que o mais rápido possível enviaria os documentos comprovando os reais gastos da pasta. Ainda estou no aguardo do documento que ele disse que traria com urgência”, disse.

Com informações da assessoria do parlamentar.