Wilker cobra investigações contra Governo e lamenta decisão do STJ

Foto: Divulgação

Na sessão plenária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) desta terça-feira (29), o deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) lamentou a decisão da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em retirar de pauta o julgamento de admissibilidade ou não da denúncia contra o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), que estava previsto para acontecer na próxima quarta-feira (30). Lima é acusado pela PGR de praticar diversas irregularidade na gestão da Saúde do Amazonas e liderar uma organização criminosa instalada no Governo do Estado.

Em seu pronunciamento, Barreto deixou claro o descontentamento com a medida da Corte superior e aproveitou para criticar o comportamento da Casa Legislativa em não avançar nas investigações contra o Governador.

O Amazonas recebeu a notícia do adiamento da denúncia do governador Wilson Lima com muita tristeza, em qualquer canto da cidade ou do estado, o sentimento de tristeza é claro no semblante. Fico mais triste ainda quando eu vejo a conivência e a leniência desta Casa que se recusa a avançar para tirar o chefe de quadrilha do cofre público”, Declarou Wilker.

É a segunda vez que a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Wilson Lima e mais 15 pessoas, pelo suposto envolvimento em esquema de corrupção na compra superfaturadas de ventiladores inadequados durante a pandemia do novo coronavírus, é retirado da pauta. Inicialmente, o julgamento estava marcado para o dia 2 de junho, mas foi adiado por conta de novo desdobramento da Operação Sangria, da Polícia Federal.  Remarcado para esta quarta (30), o processo foi retirado de pauta às vésperas da análise.

O parlamentar fez um apelo para que a sociedade amazonense cobre um posicionamento mais firme e ações da Casa Legislativa diante de um governo envolvido em escândalos de corrupção.

Precisamos que a sociedade se envolva num processo limpo e democrático para que pressione a Assembleia Legislativa a tomar as devidas providências, senão estaremos entregando o nosso Estado a organizações criminosas que estão aí para roubar o dinheiro do contribuinte”, finalizou Barreto.

(*) Com informações da Assessoria