Wilson Lima destina R$450 mil para festival de igreja em Manaus

Evento foi realizado no último final de semana, mas contou com um público baixo

Foto: Reprodução

O governador Wilson Lima (União Brasil), destinou R$450 mil para a Fundação Rede Boas Novas, entidade ligada a Igreja Evangélica Assembleia de Deus (IEADAM), comandada pela tríade dos irmãos Câmara, pastores Jonatas, Samuel e Silas, este último é deputado federal. O valor de quase meio milhão foi para a realização do “Boas Novas Festival”, que ocorreu no dia 25 de junho deste ano. Essa não é a primeira vez que o governador destina patrocínios com dinheiro público para eventos privados.

O pagamento foi divulgado no Diário Oficial do Estado, com a contratação sendo feita pela Secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa (SEC), sendo assinada pelo secretário da pasta, Marcos Apolo Muniz de Araújo. O pagamento de quase meio milhão de reais foi feito através de dispensa de licitação.

Ao todo, foram 18 atrações que participaram do evento, sendo a maioria local. O irmão do deputado federal Silas Câmara, o pastor Jonatas Câmara, presidente da igreja Assembleia de Deus do Amazonas classificou o evento, nas redes sociais, como “o maior festival gospel do Norte do país”. Apesar da classificação grandiosa feita pelo pastor presidente e do valor do repasse feito pelo governo de Wilson Lima, informações e imagens enviadas ao Radar Amazônico mostram que a presença do público foi considerada “fraca”.

O evento foi realizado no Complexo de Convenções Canaã, na avenida Rodrigo Otávio, que pertence a Fundação Boas Novas.

Mas não é só este evento privado que tem recebido dinheiro dos cofres públicos. O governo de Wilson Lima paga desde Peladão da A Crítica até torneio de dominó da emissora de TV dos seus ex-patrões, com dinheiro do contribuinte amazonense. Também tem dinheiro público que vai parar nas contas da TV A Crítica por transmissão de Carnaval e Festival Folcórico de Parintins deste ano.
O governo também injeta dinheiro público em projetos de outra emissora de TV privada, a TV Amazonas. Os projetos “Aulão na Rede” e “Pipoca em Cena”, que poderiam ser pagos com cotas de patrocínio de outras empresas privadas, também estão sendo pagos com dinheiro público, um montante de mais de R$ 5,3 milhões.

Veja o documento na íntegra